quarta-feira, 13 de março de 2013

netuno vociferante

 
netuno vociferante
 

I

caravelas
dão à beira da praia
ardendo a pele da sereia
numa ópera onde Netuno - vociferante -
flagela o silêncio
da pedra

ouve -
o silêncio da sombra
ressecar teus ouvidos
arrepiar a epiderme
do teu ventre
em gotas
sob um sol
sândalo

II

rumor: mar de ardósia
sobre (br)ancas
estrelas do mar [ domar
as ondas (e)fême(r)as ]
que lavam a alma gris
 
[ o som
uníssono do mar
repulsivo no grito
de uma gaivota ] o (b)arco
a íris do peixe-voador
num voo desgarrado
sobre o convés

III

as pupilas densas
de uma lua tresloucada
à luz do mar
da tranquilidade sobre
crateras de cristais
dos teus poros

intenso o jorro
do crepúsculo sobre
o dorso suspenso
do céu azúleo - útero crescente -
mais espesso que o mar
de aquarela

IV

concha
entreaberta [ tridentes ]
num sorriso alvíssimo
que invade rochas
onde mansamente
o dia em mormaço
te recompõe

ouve -
o mar o mar o mar
num vai-e-vem na areia
[ tentáculos em tuas coxas ]
inebriar os lábios
da medusa


Nenhum comentário:

Postar um comentário