sexta-feira, 16 de setembro de 2011

o (re)pouso é assombroso - (l'equilibrio è un miracolo)

o (re)pouso é assombroso   *** (1)

olho e penso:

neste mundo ao avesso
o desvario me desafia
suspenso sobre um fio

suavemente
de pernas para o ar
o (re)pouso é assombroso

por um instante
adio a vida e deixo-a
de lado agreste

me rendo
ao humano medo
de ser livre

- salto no vazio dos sentidos -

descerro os olhos
no profundo azul
deste céu amplo

quando vem a tormenta
o vento não me pega desprovido
o (re)pouso é assombroso

por um instante
adio a vida e deixo-a
de lado agreste

e me rendo ao perigo
frágil à espreita

- salto no vazio dos sentidos -

descerro os olhos
no profundo azul
deste céu amplo

por um instante
vivo a vida de sonhos
puríssimo

e me rendo
certo de ser frágil

- salto até o vazio dos sentidos -

que sinto dentro em mim
no profundo azul
deste céu amplo

....................................................

*** (1) tradução do poema

" l'equilibrio è un miracolo " por Debora Suomi

Guardo il mondo e penso a testa in giu’

Sopra a un filo che e’ sospeso
Di vertigine in vertigine
Dove e’ piu’ leggero esistere
Dolce e’ vivere nell’aria
L’equilibrio e’ un miracolo

Per un momento io lascio la vita sospesa negli angoli
E mi abbandono all’umana paura di essere liberi
Volteggio piano nel vuoto d’amore
Apro i miei occhi nel blu
Di questo cielo cosi grande

Quando arriva la tempesta qui
Non mi coglie impreparata il vento
L’equilibrio e’ un miracolo

Per un momento io lascio la vita sospesa negli angoli
E mi abbandono alla fragile attesa di nuovi pericoli
Volteggio piano nel vuoto d’amore apro i miei occhi nel blu
Di questo cielo cosi grande

Per un momento io vivo la vita sognata degli angeli
E mi abbandono all’umana certezza di essere fragili
Volteggio piano nel vuoto d’amore che sento dentro di me
In questo cielo cosi grande

Um comentário:

  1. belo! o vazio me salta em mim, como um lince que ronda e pula, eu de pernas pro ar como um gato brincalhão no azul-rosáceo dentro de minha fragilidade, no susto do salto abissal do lince capto o céu e o lince me é pouso assombroso de mim.

    ResponderExcluir