quarta-feira, 25 de maio de 2011

a lua desapareceu do céu

a lua desapareceu do céu


a tarde
em fiapos se esvai
e escrever é uma forma
de espantar este tédio

os nós dos sonhos
são os acasos
da noite

o ocaso
entre o cosmos
e o corpo celeste:

- é crepúsculo ou ócio -

é tudo o que sinto
neste instante
nenhum músculo
me (co)move

muito mais a míngua
que a alma
dita sorve

onde (re)nasce o alvor
desta face
que se faz trégua

para ser carcomida
que não se entrega
ou quase nada

como um peixe fora d’água
é farinha de osso mauro

e sob grossas lentes
esta engrenagem
gangrena e turva

como a tarde (ex)tensa
a arder em cadência
marcha lenta

veja: nas ruas este pó
se despedaçar
em pedras

onde as pedras
se servem de um mar
de lágrimas

o mesmo mar
que se enerva
lá onde a onda vaga
e se entreva

e são vagas as ondas
a açoitar o tempo
como o vento tresnoitar
os sonhos

ah ! os sonhos !
passam: a espuma e a névoa
quebram-se na calva areia
já cansada
do vai-e-vem do vem-e-vai
das águas desta tarde
inacabada

são trevas sobre os trevos
de três folhas no jardim
lá de casa

nenhum de quatro folhas
pois como sempre
estou sem sorte

( os pássaros passam os ácaros )

acordo nesta ausência
e tudo é claro e ácido
e está ao alcance:

inclusive a morte
(r)adiante

sem dó nem piedade
de nós mesmos
feito fantasma
entre os cancros
dos ramos dos álamos

súbito: um olhar pela porta
revela o âmbito
das estrelas

- e são mais do que pedras -

como o mármore branco
que emoldura o rosto
desta tarde que resta

6 comentários:

  1. bárbaro!!! Lembrou-me Àlvares de Azevedo, Gregório de Mattos, Augusto dos Anjos - "escarra nessa boca que te beija" - uauuu!!! Tõ na minha vibe!!! hahaha...

    Gosto daqui!

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  2. Suas poesias são tão lindas meu caro!
    Encantada!

    ResponderExcluir
  3. nas minhas vistas uma lufada de poesia!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada por postar este seu poema no meu blog. Desejo te seguir e, no momento, os teus seguidores neste blog não aparecem. Tentarei seguir o outro. Parabéns. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  5. os pássaros voam sobre o próprio tédio...

    ResponderExcluir
  6. ...os prédios na tarde sbrevoados de pássaros tardios. onde a palavra que espanta a lágrima e a dor do que já não é? Para onde o gozo da infância inventada? Para onde o sonho depois que acordado? Para onde a escuta? E a palavra que fica muda? Para onde o ontem? Para onde a onda? Não entendo nada. Que tudo entedia, meu deus!

    ResponderExcluir