segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

excertos ( pedras-de-toque / fragmentos de poemas )




excertos - ( pedras-de-toque )( fragmentos de poemas )




“...no cio do céu
flor orgias garoas
fogaréus alegorias...”

****

“...um florvalhar de lótus
no céu sucumbido cintila
escarpas de guelras...”

****

“...entre orgasmos vespertinos
a paixão contempla
uma aurora de fuligem...”

****

“...ouça a estrela vésper
e seu âmbito d’ estrelário
engendrar outras estrelas...”

****

“...filigranas pétalas de mármore
vertem em pedras filiformes
meandros de metal...”

****

“...à míngua do musgo
moem o lixo
mandíbulas de metal...”

****

“...dançam as estrelas
como se o silêncio conspirasse
contra a solidão do céu...”

****

“...lustro fausto de flauta
entre o belo
e tua estátua...”

****


“...agora sobe em cortejo
aos céus entretecido
pelo fogaréu da ínsula alma...”

****

“...percebo sonhos da tarde
arderem aos flancos
unhando-se...”

****

“...asas escarlates
suspensas no entrecéu
a sibilar sobre mim...”

****

“...vago nesse mar
onde o mar não é náufrago
mas raso e de vidro..."

****

“...seiva que sentia
o que te sinto em meus sonhos
de lascas e sumos...”

****

“...lampejando
em formas volúveis
vibram línguas tíbias...”

****

“...transfigura em cílios
sob preciosas sílabas
semicerrados olhos...”

****

“...beijo recluso
traçado desejo
devorados instantes...”

****

“...um odor de vulvas convulsivas
deixa rastros
na manhã primeva...”

****

“...domar
este céu de trégua
é uma tênue sangria...”

****

“...pálido pêndulo
de asas no horizonte
de estrelas donzelas..”

****

“...dilúvio desvio de lírios
em rios de urânios
píncaros...”

****

“...luxúria lunária de chumbo
solventre
de escamas agônicas.”

****

“...tremem em trevas
sentidos secretos
no luto diário da solidão..."

****

"...ouvir o nervo cálido
no céu calêndula
- estrela..."

****

"...temporais de vidro -
lótus em delírios
de pó pelas pupilas...”

****

“...os rumos dos murmúrios
de vênulas púrpuras
em gozosas virilhas...”

****

“...palinuro
de vôos fulminantes
num anoitecer de estrelas...”

****

“...finda a noite sem saber-te
se engendro o vidro ósseo
dos olhos póstumos...”

****

“...tormentas de tédio -
delírios da doce lira
que o silêncio assiste...”

****

“...os dias suspensos
severos e insanos
em devorados suspiros...”

****

“...solitária ninfa
entre fantasmas
e anjos fulvos...”

****

“...agora sonhas sedas
em polvorosa
teus olhos onívoros...”

****

“...língua ávida
da garça longilínea
de alvas asas...”

****

“...como raízes e ramos
de uma árvore
seca em cãibra...”

****

“...acorda agora
em náuseas de escamas
entre corredores de poeira...”

****

“...rigorosos olhos onívoros
odores blindados de sabre
são forjados em fôrmas de bronze
no horizonte vítreo...”

****

“...um rio transborda
mil veios róseos
nas rimas da anatomia...”

****

“...é o mar
macabro da manhã
a beirar o céu das trevas...”

****

“...engendrando seus segredos
sem saber da solidão
das cabeleiras grisalhas...”

****

“...devorados latejos
sentidos numa overdose
de silhuetas espumas...”

****

“...um sol de argila
dissolvendo-se
em estilhaços...”

****

“...urânia vulva de língua lésbia
no céu concreto da furna fulva
- a fábula libélula...”

****

“...pressinto
as pálpebras em teia -
arco-íris de crisântemos arcanos...”

****

“...ululantes pupilas
suscitam presságios
de espanto..."

****

"...ínsula alegoria
a altear a pálpebra
nesta elegia..."

****

"...sem rédea
a lágrima amarga
se desnuda em vértebra...

****

"...é a crista do crepúsculo
nas entrelinhas do calendário
da tarde..."

****

"...o silêncio inclina
a cabeça pelas fímbrias
(d)a alma suspensa..."

****

"...nesta manhã desventrada
dos céus - o silêncio -
ouço apenas o silêncio..."

****

"...meus versos inflamarão
em todas constelações
nacos da minha alma..."

****

"...tudo se esvai -
até a dor
deste poema..."

****

"...a cor dei
às estrelas na paisagem
do rio..."

****

"...este rio se esvai
triste em sangria
sonolento..."

****

"...na multidão que se comparte
em dor e deslinda a (l)ira
que medra a cena ao ar-livre..."

****

"...no ar a carcaça
e cumprem as pálpebras
o seu destino..."

****

"...coruscante à direita do céu
sem cais nem cárcere
caprichosamente vibrei..."

****

"...o cenário do céu
- as estrelas sabem -
urra no tédio..."

****

"...a pedra se faz poema
e verte poesia
do seu próprio ventre..."

****

"...da calçada de pedra cal
alça vôo a caça
cauda lírica..."

****

"...de quase estorvo estuar
o último vôo ao troar
do corvo tão só..."

****

"...o corpo insinua
e enclausura ao ponto de soçobrar
açuladas liras..."

****

"...vem sombra
esta vida breve
em trevas se assoma..."

****

"...suicida-te
póstuma poesia
silente na encosta bravia..."

****

"...tênue te encontrarei
em teus (en)cantos
em meus poemas-sombras
e em prantos..."

****

"...nesta noite
como pirilampo
eu te daria uma luz..."

****

"...já se põe o sol
em teus meandros
entremeado aos rios
em ti esculpidos..."

****

"...as cicatrizes das fendas
são solidões em trânsfugas
como a caligrafia em rendas..."

****

"...há minas em mim
em explosões desventrando-me
e cem ou mais reflexões..."

****

"...estou farto desta línguaviva
solta e distante que nos envolve
a vulva de saliva..."

****

"...os dias no espelho
e o poema nas pálpebras
a contemplar a solidão..."

****

"...sonhos sinuosos
sem destino neste incensário
de sol a pino..."

****

"...o sol lodoso reverte
teu olhar sobre
o meu olhar já dissolvido..."

****

"...a noite tecia
o mar imerso entre ondas
imensas ostras..."

****

"...teu arpão -
farpas de seda
dói-me as espáduas..."

****

"...crocitar é o revérbero do corvo
recurvando-se sobre a carcaça
a corvejar o silêncio cotidiano..."

****

"...flor orgias no entrecéu
onde as estrelas
são tempo..."

****

"...o tempo é pó
urdido no arco do céu
- tendão de vidro..."

****

"...vestígios do horizonte:
o mármore do teu rosto
se esfria..."

****

"...o que contemplo agora ?
um poeta embriagado que se extermina
pelas pálpebras pelo ventre
pela língua ? "

****

"...uma constelação de ruínas
de mim apossou-se de mim
como poseidon do olimpo..."

****

"...enquanto casulos
soluçam bocejos de tédio
o corpo vibra entre vértebras..."

****

"...à espreita a serpente
a morder o sol
num sobressalto..."

****

"...toda insanidade
que te incendeia
contemplo com paixão..."

****

"...o último tremor de morte
da línguagridoce
o silêncio do céu cintila..."

****

"...um cio de véu me excita
outro céu de algodão
- estrila..."

****

"...esta poesia cardíaca
pintura hidráulica
de borboletras esmeraldas..."

****

"...poesia pássara pêssega
suave cigarra que se assigna
veludolorosa e se fragmonstra:

- univértebra univalve unívoca..."

****

"...súbito o sol fulvo arde
em silvo ou sêmen
no desnudo silêncio violado..."

Um comentário:

  1. luiz..

    não preciso dizer, você sabe o quanto é bom no que escreve, mas vale ressaltar que alguns fragmentos daqui são geniais.

    lirismo e sensibilidade, flor e pele.

    abraços!

    ResponderExcluir