sexta-feira, 23 de julho de 2010

olhos de argila

olhos de argila


tudo se foi -
tempos dorsos troncos
retorcendo eternos
olhos d'água

teu arpão
farpas de seda
dói-me as espáduas

o retorno
dos tornozelos em fuga
os sabres sobre as rugas
do céu líquido

por trás
dos ombros - os olhos -
ocos de argila

Um comentário:

  1. Fico impressionada com a riqueza e beleza da tua poesia. PERFEITA!

    ResponderExcluir