quarta-feira, 7 de julho de 2010

o silêncio do silício


o silêncio do silício




- há o silêncio:

um nó na garganta
se agiganta só

? por qual poema grito ?

por um ou por todos
que me escravo -

? por qual palavra explico ?

por uma ou por todas
que me explicam -

porque estou escre-
vendo (n)este espelho entre
o olho obsceno e o aceno ?

vejo cenas em meu rosto trêmulo -

( o silêncio entre os dias odiados )

o cio entre as pernas do céu

nu-
vens em mim
sen ti(r) (o)dor

ah ! o silêncio ! qual não lhe perturba ?

o da noite que perdura
o do dia que (en)cla
usura

ou do som do cílio
na selva do sol ouriço ?

o silvo do sino
o insosso escarro da rima roída
do silício ?

cristalino quartzo aturdindo rochas
como o silêncio precioso
- pedra valiosa -
tal o perturbador lírio

" delírios da doce lira que o silêncio assiste "

Nenhum comentário:

Postar um comentário