quinta-feira, 1 de julho de 2010

retrato


retrato 



de
signo
filigranas sol a fio
não desisto
o insano me ensina
agir irrigar imagens enigmas
agitar esta letargia
andar de lesma entre
o ventre e virilha 
tremer de unhas 
esmaltes na trilha
dos males o melhor:

- salamandra de incêndios -

o som intenso do olhar orvalhado
longo ao longe das estrelas intriga
rastro de toras de restos sentidos
remete luz à ilusão (d)a dança de pincéis
temer a morte ou temor à melancolia
os seixos nos eixos o (s)ódio dos sóis
o ego age a vida:

apalpas a pele o papel
rabisca riscos em pálpebras
( hibiscos e gérberas )
de instantes tentáculos
tragam teus tantos intentos
meus instintos

Um comentário:

  1. Parabéns, Luiz Gustavo, pelo blog estrelado.
    Assim são os poemas e a inspiração, nos vêem como estrelas a brilhar, uma a uma! Obrigada pelo poema! Muita luz cintilante em sua vida! Voltarei mais vezes! Abraço, Karina.

    ResponderExcluir