quarta-feira, 30 de junho de 2010

o dragão


o dragão  



o coração:

músculo que habita
à esquerda

- palpável penetrável pisoteável -

púrpuro dragão vascular
de vertentes veias ventrículas

sus
penso

pingente de fibras

por vezes estorvo
onde sangram vasos
e fragmentos complexos

eis-me irrigador
de mim mesmo

cardíaco tambor
de ritmos dissoltos
espamos e gestos

não há uma só
treva tênue
quando o âmago
transcende o jardim
do poento inferno

( não é pelo f(r)io da navalha
a cortar artérias que o ventre
jorrará à insolência da faca ?? ) 

(ag)ora
(d)es
perto:

avesso
o coração não cala
denso
pulsa
(per)
verso(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário